BOBOS DA CORTE

segunda-feira, outubro 26, 2015 1 Comments A+ a-




O mundo gosta de colocar as coisas entre os braços. Eu prefiro entre aspas. É assim a existência de quem não apenas vive, mas depreende.

Pudera ser suficiente pra abolir a escravatura dos imprevistos no calendário, pregar o ‘that’s ok’ em cada porta que se decora para o Natal em outubro.

O cotidiano traz mais bobos da corte do que majestades. Se fôssemos reis, as pessoas só se curvariam diante de nós por problemas de coluna. O respeito que escrevemos de trás pra frente não é uma língua fluente entre os súditos do reino que nunca tivemos.

Essa coleção de ‘quases’ que cresce em nosso guarda-roupa ainda vai nos fazer sair nus para o trabalho. Seria engraçado.
E fazemos rir os amantes do finito, dos prazos de validade, da hora certa pra acabar. Pra sempre? Não, pra ontem.

Mas quem ri por último nem sempre é o mais esperto, a maioria das vezes é só alguém que demorou pra entender a piada.

Imagem: Fran Vergara