A RAZÃO DE NÃO TERMOS SUPERPODERES

quarta-feira, abril 22, 2015 12 Comments A+ a-



Não temos uniformes personalizados, não saltamos entre os prédios nem sabemos o que fazer quando ouvimos algum pedido de socorro. O egoísmo provavelmente não permitiria que tivéssemos carteira assinada na profissão de super-heróis. O criminoso merece receber um direto de esquerda, mas nós só sabemos dar indiretas.



Nenhum revés em nossa história teve caráter transformador para aumentar nossos sentidos e hiperdimensionar nossas habilidades – quando sequer temos alguma. 
Acreditamos ter mais inimigos por metro quadrado do que postos de gasolina, uma utopia criada para disseminar dentro de nossa personalidade que representamos uma ameaça a alguém.



E se pudéssemos, quem salvaríamos? Alienados como nós, que ignoram informações que poderiam destituir líderes de seus cargos para nos preocuparmos apenas com casamentos e dietas dos famosos?
Ao invés de conhecimento, atualizamos o Facebook.



Que espécie de heróis seríamos se, antes de emboscar um adversário, postássemos no Instagram algo como #partiucombaterocrime? Alguém realmente gostaria de ler nossos quadrinhos, ver nossos filmes e assistir nossos seriados? Comprar nossas camisetas?



Não é por capricho, não é um infortúnio, não é por desastre que nascemos sem superpoderes.
A gente simplesmente não merece.

Com heróis dessa geração, o mundo ficaria bem melhor com os vilões.


Imagem: FatoOoma Qatar

O SONETO QUASE HIPSTER

segunda-feira, abril 06, 2015 8 Comments A+ a-



Mentiras não são como carneirinhos mas ajudam a dormir

Assim o real consegue ficar um pouco fantástico

O melhor vive atrasado pois sempre está por vir

Enquanto todos brindamos em copos de plástico



O mundo se comunica em falas de seriados

E o tempo se mede por temporadas

Dos dias da semana, só valem os sábados

E das pessoas, só as charmosamente erradas



Mas se o romantismo corta os pulsos

A sociedade reclama dos pares avulsos

E nós respondemos ‘não tem de quê’



Até que a série da vida não é mais tão feliz

E a gente corre no Netflix

Para chorar com a barriga cheia de comida gourmet


Imagem: James