APRENDA A AMAR SUAS DECEPÇÕES

sexta-feira, setembro 19, 2014 16 Comments A+ a-




O sinal fechou bem na hora que você estava prestes a atropelar todos os demônios da sua vida. Atravessaram em fila, de mãos dadas, esboçando sorrisos debochados pela faixa de pedestres, protegidos pela sua direção defensiva.

Colocar o pé no acelerador seria o mesmo que colocar na jaca, ou trocar os pés pelas mãos. Convenhamos, você terá outras chances de quebrar as regras sem precisar quebrar as pernas.

Esse passado travestido de criaturas infernais pode ser o bastante para fazer o presente de alguém se transformar num futuro.
Talvez seja melhor vê-los livres do outro lado da calçada e esquecer que é domingo e sua melhor companhia ficou perdida na segunda-feira que você nunca levou a sério o suficiente.

O volume da música que vocês tinham em comum condiz com o volume do seu cabelo em dias ruins. E nunca adiantou escondê-lo na gaveta e jogar a chave fora se o móvel continua decorando o seu quarto.

Você não pulou sete ondas com medo de se afogar e hoje só existem maremotos.

Mas adiantaria culpar as escolhas tomadas entre Budweisers e Heinekens? Vale a pena praguejar até a quinta geração daqueles que usaram sua casa como hotel e não como lar?

Às vezes precisamos ter a humildade de beijar a lona de língua. Fazer o nosso papel, mesmo que seja o higiênico.

Quando se consegue entender a estrutura das decepções é possível ser um arquiteto de felicidades mais firmes. Um engenheiro de emoções arranhacéuzísticas.

Então, quando o sinal abrir, deixe o retrovisor te lembrar do que passou para poder aproveitar de verdade o que existe em outras avenidas.

Imagem: Christoph Christoph

Redator publicitário, baterista, compositor e escritor - flertando perigosamente com o roteiro. Reflete sobre cultura, pedaços de mainstream e as maravilhas ocultas em pequenas situações do cotidiano.

16 comentários

Write comentários
Carol Russo S
AUTHOR
20 de setembro de 2014 11:45 delete

Como precisamos de outras avenidas, ah!... Perdemos tempo demais tentando matar demônios do outro lado da rua enquanto eles vivem dentro de nós; e na esquina... na esquina existem novos caminhos, com anjos!
Texto tão bom quanto o título: instigante, parabéns.

Reply
avatar
20 de setembro de 2014 23:31 delete

"Às vezes precisamos ter a humildade de beijar a lona de língua. Fazer o nosso papel, mesmo que seja o higiênico."

No words, just!

Reply
avatar
Prih Pereira
AUTHOR
22 de setembro de 2014 00:55 delete

Verdadeiro e lindo. Como sempre!

Reply
avatar
Brunno Lopez
AUTHOR
24 de setembro de 2014 17:23 delete

Vou acreditar mas só dessa vez.

Reply
avatar
Brunno Lopez
AUTHOR
24 de setembro de 2014 17:25 delete

Agradeço demais a visita.
Volte sempre, foi um prazer.

Reply
avatar
Brunno Lopez
AUTHOR
24 de setembro de 2014 17:40 delete

Bom te ver de volta, Ariana.

Reply
avatar
Brunno Lopez
AUTHOR
24 de setembro de 2014 17:52 delete

Priscila, sempre presente e sempre gentil.
Um prazer ter você aqui.

Reply
avatar
25 de setembro de 2014 11:59 delete

Sempre tive e acho (tomara que não) sempre terei medo de enfrentar as situações.
Muito provável eu enfiar o pé na jaca e passar por cima de tudo, sem digerir direito o que acabei de fazer. :/

Reply
avatar
Geisla Moraes
AUTHOR
1 de outubro de 2014 18:37 delete

Tão difícil expressar em palavras o que sinto e vejo de mim mesma quando leio seus textos, crônicas e afins. Seu talento transborda emoções aos olhos e o desejo de sair por aí digitando elogios ao autor. Parabéns.

Reply
avatar
Brunno Lopez
AUTHOR
9 de outubro de 2014 15:58 delete

Sem palavras para responder, pra ser honesto.
Devo apenas agradecer e pedir para que não esqueça o caminho de volta.

Reply
avatar
Luria Corrêa
AUTHOR
21 de novembro de 2014 12:36 delete

Acho que me demorarei por aqui mais uns dias.

Reply
avatar
14 de dezembro de 2014 20:11 delete

Eu penso isso toda vez que estou na faixa de pedestre e penso em me atirar na frente de um carro para lugar nenhum. Mas aí eu paro, reflito: Eu não ligou de viver, mas e a pessoa que está no volante? Ela ela aguenta viver depois disso? Porque, por mais que não seja um desejo meu, é o de outras pessoas. E a culpa, é quase tão fática quanto a morte. Então porque morrer? Porque desperdiçar algo que parece tão precioso pra uns..? Será que meu valor da vida aumenta com o passar dos dias? Eu só sei que todos eles parecem uma música do Pink Floyd em colocada no repet qur não consigo entender,,,

Reply
avatar
Brunno Lopez
AUTHOR
6 de março de 2015 16:59 delete

Fique à vontade, Luria!

Reply
avatar
Brunno Lopez
AUTHOR
6 de março de 2015 17:00 delete

São esses pontos de pista que eu procuro despertar aqui.
Fico feliz que você tenha essa observação, Beatriz!

Reply
avatar

Divague, opine, discuta. Coloque sua inspiração no 220v. Toda essa transpiração criativa é o combustível da minha respiração.