NUNCA SE É POBRE PARA PAGAR O PREÇO DOS SONHOS

quarta-feira, março 06, 2013 18 Comments A+ a-



Fazer é o verbo. Sentido é a direção. Se forem vontades, cria-se um impulso. Se forem obrigações, alimenta-se a decepção. O sal do suor tempera os anseios dos que trabalham.



Quando não se pode escolher, todo emprego é apenas um relógio martelando suas verdadeiras expectativas como um suplício corporativo. 
Quando se pode, os dias costumam sorrir com a voz do despertador.



Mas acordar é – e tem que ser - pra todos. Ficar na cama é um jeito confortável de perder a transformação diária do mundo, ainda que existam os que consigam ser mais inteligentes de olhos fechados – e de boca também.



O que não se paga, se desperdiça. Habilidades só valem pela necessidade quando se sabe valorizar o talento. Se você for o dono da empresa da sua vida e a falha estiver na lista de candidatos, não tenha receio em admiti-la.



Pode parecer estupidez mas quem se acostuma com tudo dando certo não tem o tempero emocional necessário quando o revés chega. E ele chega. Você não tem que colocar um capacho escrito “Bem-vindo” com letras em alto relevo na esperança de amenizar suas misérias emocionais. Você só precisa garantir que, quando o inverno passar, nada de bom que existe em você seja levado.



A vida é uma música que a gente compõe todos os dias. Escolha as pessoas certas pra tocar na sua banda, pois sozinho você só tem uma letra onde ninguém canta junto.



Imagem: Sandeep Mishra