MALDADE SINCERA

sábado, abril 24, 2010 2 Comments A+ a-



Ninguém teria sabedoria suficiente pra se arriscar a definir as inúmeras espécies de felicidade que respiram por aí.
A minha, sinceramente, é ainda mais complexa.
Se eu parasse de respirar pra poder me concentrar nos sons deliciosos que você faz, certamente eu morreria, mas saberia mais sobre as suas habilidades.

Se fôssemos dois robôs sem alma, que caminhassem programados para vender uma espécie de sentimento meteoricamente abstrato e irresistível, talvez não conseguíssemos esse nosso ‘improviso ensaiado’.

Nesses dias, ficou comum soarmos egocêntricos e convencidos.
Ninguém parou pra ver as noites que não quisemos dar boa noite para o mundo, em que não fizemos do álcool a mentira para nossas verdades, em que não sentamos no último lugar do cinema pra rir de quem tentava assistir o filme.

Sinto as vezes que, quando conseguimos estar juntos, apontamos uma arma para a cara do planeta.

Imagem: Tim Kaminski

FOTOSSÍNTESE

domingo, abril 04, 2010 7 Comments A+ a-



Nem todos nós nascemos com um punhado de ouro nos bolsos ou números premiados de uma loteria qualquer.
A maioria muitas vezes nem saberá sorrir com isso.
A vida nem sempre gosta muito desse tipo de sentimento.

Seríamos mais fortes se focássemos em algo que realmente nos fizesse acordar algumas horas mais cedo. Algo que nos incomodasse, nos desafiasse como os antigos ‘chefões’ de videogame.

Tudo que demande alguma estratégia, algo não automaticamente dedutível é muito mais cativante.
E mesmo que não existam muitos dispostos a mudar de rota pra conseguir algo menos insípido, eu aprendi que descomplicar é uma chave bem barata para as fechaduras mais caras desse mundo.

Eu não preciso mais pré-datar meu sorriso.
Nem o seu.
Nem o de ninguém.

Pra quem gosta da chuva, o sol nunca fez mais do que fotossíntese às plantas.

Imagem: Jinpyoung Choi